Câmara de Blumenau – Vereadores Empossados, Mesa Diretora Eleita e Célio Dias pode voltar à Casa Legislativa

Neste 1º de janeiro os vereadores eleitos foram empossados na Casa Legislativa Blumenauense. Logo em seguida, houve a eleição da Mesa Diretora, que conduzirá os trabalhos legislativos pelos próximos 2 anos.

Candidatos

São quatro cargos a serem ocupados: presidente, vice-presidente, 1º secretário e 2º secretário e os candidatos poderiam se apresentar em forma de uma chapa ou via candidatura avulsa.

A primeira chapa é formal, se apresentou como Chapa 1 e, respectivamente, foi formada por Egídio (REPUBLICANOS), Silmara (PSD), Almir Vieira (PP) e Ito (PL).

A segunda chapa é informal, pois fora formada por quatro candidaturas avulsas, ainda que a união dos quatro integrantes ficasse clara pela votação que receberam. Também respectivamente, fora formada por Marcelo Lanzarin (PODEMOS), Marcos da Rosa (DEM), Professor Gilson (PATRIOTAS) e Cristiane Loureiro (PODEMOS).

Votação

Além dos votos de seus membros, a Chapa 1 ainda recebeu votos de Adriano Pereira (PT), Bruno Cunha (CIDADANIA), Carlos Wagner, o Alemão da Alumetal (PSL) e Emmanuel dos Santos, o Tuca (NOVO), totalizando 8 votos.

Já a Chapa informal, das quatro candidaturas avulsas, além de seus próprios votos recebeu ainda os de mais três integrantes da base governista: Maurício Goll e Alexandre Matias, ambos do PSDB, e Jovino Cardoso, do SOLIDARIEDADE, totalizando 7 votos.

Derrota do Executivo

A eleição foi encarada como derrota pela Prefeitura Municipal, pois a composição da mesa foi feita em boa parte por articulação do vereador Bruno Cunha, atual integrante da oposição na casa e antigo desafeto partidário do prefeito Mário Hildebrandt.

Egídio, eleito pelo Republicanos, que compôs a base governista durante as eleições e portanto até então era visto como aliado pelo prefeito, passou a ser acusado de traição por governistas nos bastidores.

A Postura de Gilson

Inicialmente Gilson havia conversado com a Chapa 1, mas não houve consenso quanto aos nomes indicados para cada cargo da mesa diretora.

Apesar de ter atuado em conjunto à base do governo nesta votação, o Vereador Gilson garante que segue “independente” na casa, não fazendo parte nem da oposição, nem tampouco da situação, continuando sem indicar qualquer cargo na gestão municipal.

“Independência”

“Independência” é a palavra da vez na política blumenauense. Admitir ser governista ou de oposição virou “nome feio” na Casa Legislativa e vários vereadores tem adotado o termo para se definir politicamente.

Bruno Cunha chegou a repetir três vezes a palavra ao proferir seu voto desta sexta-feira, arrancando até risadas de seus companheiros de vereança.

Articulação de Bruno Cunha

Como já mencionado, a eleição da nova mesa diretora deve muito à articulação de Bruno Cunha, vereador reeleito. Bruno já foi governo, fez parte do mesmo partido que Mário quando este era vice-prefeito e até já indicou nomes que ocuparam espaços no Executivo. Entretanto, algo aconteceu entre eles e desde então atuam em lados opostos. Bruno virou oposição.

Fim do Urgentíssimo

Como já relatado na coluna anterior, o que Bruno pretendia era o fim do “urgentíssimo”, impedindo “votações relâmpagos” à pedido do Executivo no Legislativo. Bruno é um dos autores de um Projeto de Emenda ao Regimento Interno que busca estipular o período mínimo de 24 horas para tramitação de um projeto, independente de sua urgência. Com a nova mesa diretora, tal projeto deve entrar em pauta para votação já nas primeiras sessões do ano.

Célio Dias de volta?

Lembram de Célio Dias? O Ex-Vereador e Guarda de Trânsito que foi um dos alvos da Operação Tapete Negro, chegando até a ser afastado da vereança por certo período. Com a eleição de Egídio, Célio deve voltar ao cenário político do legislativo blumenauense.

Ele atuou diretamente na campanha de Egídio, recém-eleito presidente da Casa Legislativa, por isso é normal que tenha algum cargo em sua gestão. Rumores levam a crer que Célio venha a ser o novo Diretor da Câmara de Vereadores, alias até já estava presente na sessão desta sexta.

Atualização: Egídio entrou em contato

O presidente eleito da Câmara, Egídio Beckhauser, entrou em contato e nos garantiu que Célio Dias não será diretor da Câmara.

Disse ainda que Diogo dos Santos, também ex-vereador e guarda de trânsito, este sim deve ser nomeado para algum cargo na casa, provavelmente em seu gabinete.

Egídio deve pautar o projeto que põe fim ao “Urgentíssimo” já nas primeiras sessões e, havendo empate na votação, seu voto será favorável a medida que prevê o mínimo de 24 horas de tramitação para os projetos.

Por fim, confirmou uma informação importante: houve um acordo entre os eleitos para que Egídio permanecesse como presidente apenas no primeiro ano, no segundo quem assume é a vereadora Silmara.

Siga o colunista no Instagram: @Thiago.Schulze

error: Conteúdo Protegido !!