Candidatos à Prefeito de Blumenau: Quem está usando Dinheiro Público na Campanha e qual o melhor Plano de Governo?

Artigo de Thiago Schulze, colunista do Mesorregional:

Temos 12 candidatos a prefeito de Blumenau em 2020 e um voto consciente deveria diferenciá-los pelo seu Plano de Governo e utilização de Dinheiro Público em suas campanhas – o chamado Fundo Partidário. Resolvi atrasar meu artigo desta semana em um dia para postar especificamente no Halloween, afinal o que vi em alguns candidatos é realmente um Show de Horrores!

Falarei sobre cada um dos candidatos por ordem de maior possibilidade de eleição, iniciando pelo que possui maior probabilidade em assumir a prefeitura, usando como base a última pesquisa eleitoral divulgada, do Paraná Pesquisas, registrada no TRE sob o número SC-00372/2020.

Mário Hildebrandt (PODEMOS) – 33,9% das intenções de voto:

Dinheiro Público: o candidato à reeleição divulgou de maneira inédita ao Mesorregional, na entrevista concedida esta última semana, que não usará dinheiro público em sua campanha. De fato, ainda não usou qualquer centavo de dinheiro público, tendo recebido em sua conta de campanha R$ 145.000,00 de recursos privados até o momento.

Plano de Governo: visualmente muito atraente, bem elaborado, organizado e muito bem explicado. No aspecto formal, parece o melhor plano de governo publicado.

Ponto Negativo: no item 2 de seu Plano de Governo, Mário pretende “buscar zerar a fila de espera para vagas na Educação Infantil”, porém não diz como pretende fazer isso. Faltou um critério mais objetivo neste item.

Ponto Positivo: destaco uma ideia que não encontrei em nenhum outro plano de governo: facilitar o acesso e agilizar o atendimento de demandas dos consumidores por meio de tecnologia. Recentemente outras cidades de Santa Catarina lançaram serviços de atendimento online de seus respectivos “Procons”, já Blumenau parece ter parado no tempo inclusive no horário de atendimento exclusivamente presencial (das 9 às 16h, de segunda à sexta-feira), o que de fato não é um problema gerado pela administração atual, pois antes de Mário assumir a prefeitura já era assim. Quem não pode comparecer na entidade nestes horários por trabalhar em período comercial, acaba ficando sem reclamar o seu direito. A informatização desta entidade demanda uma necessidade básica não só da população, mas também das empresas, que precisam ter a opção de apresentar defesa sem perder tempo deslocando funcionários durante o expediente.

João Paulo Kleinubing (DEM) – 15,7% das intenções de voto:

Dinheiro Público: o candidato não está utilizando dinheiro público em sua campanha, tendo recebido em sua conta criada para as eleições o total de R$ 569.999,99 de dinheiro privado até o momento.

Plano de Governo: visualmente feio e frágil, sem muitas explicações detalhadas, poderia ter apresentado um plano melhor.

Ponto Negativo: parece ter usado como base um plano de governo antigo, pois propõe desburocratizar novos negócios simplificando os procedimentos de abertura de empresas, o que já foi feito pela gestão atual através da Praça do Empreendedor.

Ponto Positivo: outras propostas na área de Desenvolvimento Econômico do candidato, entretanto, parecem bem interessantes, como o estímulo à instalação de novas empresas no município, integrando a mão de obra qualificada aqui existente com a vocação de nossa cidade.

Ricardo Alba (PSL) – 7,2% das intenções de voto

Dinheiro Público: É decepcionante saber que um ex-companheiro de manifestações pela liberdade, que ao meu lado já pediu o fim do Fundo Partidário, esteja hoje utilizando R$ 90.000,00 de dinheiro público em sua campanha à prefeitura.

Plano de Governo: Possui propostas concretas e bem organizadas, pecando apenas no aspecto visual.

Ponto Negativo: o candidato pretende conceder muitos incentivos e nenhuma isenção, o que é antiliberal. Um governo que concede incentivo a Pedro, está automaticamente tirando de Paulo. Já na isenção ocorre o inverso: o governo passa a simplesmente deixar de tributar tanto Paulo, quanto Pedro, retirando a barreira que ele próprio criou e sequer deveria existir. Alba não fala de isenções, mas sim de incentivos, o que não traz desenvolvimento econômico algum, mas tão somente fomenta a existência de “amigos do rei”.

Ponto Positivo: a intenção de manter disponível ao público a relação dos servidores comissionados, com sua lotação, função, horário e formação acadêmica é muito boa, assim saberemos exatamente quem ocupa os “cargos de confiança” do município.

Ivan Naatz (PL) – 5,1% das intenções de voto:

Dinheiro Público: o candidato recebeu R$ 400.000,00 de dinheiro público.

Plano de Governo: levemente propositivo, mas muito simples, sem muita organização e pouca objetividade. Poderia ter sido melhor redigido e ter um aspecto visual melhor.

Ponto Negativo: a ausência de proposta para uma Guarda Municipal Armada, que já foi uma de suas bandeiras quando vereador municipal, precariza suas ideias na área de segurança.

Ponto Positivo: o projeto Desemprego Zero, onde o candidato demonstra ideias bastante interessantes para facilitar a vida do empreendedor no que concerne à burocracia atual e, com isso, fomentar empregos em tempos de pós-pandemia.

Ana Paula Lima (PT) – 4,9% das intenções de voto:

Dinheiro Público: é vergonhoso, mas a candidata do Partido dos Trabalhadores está utilizando, até o momento, R$ 433.350,00 do nosso dinheiro.

Ponto Negativo: não foi difícil encontrar pontos negativos, porém destacarei as propostas de Ana Paula no âmbito cultural, sempre pretendendo aumentar o gasto público incentivos municipais às manifestações que promovem o chamado “coletivismo cultural”.

Ponto Positivo: destaco o apoio financeiro que pretende dar ao Programa Entra21, que capacita jovens para o mercado de trabalho de tecnologia da informação e comunicação. Temos hoje um grande déficit de mão de obra nesta área e fortalecer um programa educacional oriundo de uma parceria público-privada que deu certo é uma forma interessante de bom emprego do dinheiro público.

Odair Tramontin (NOVO) – 4,4% das intenções de voto:

Dinheiro Público: o candidato do Partido Novo, até por ser uma diretriz partidária, não utilizará dinheiro público em sua candidatura, tendo recebido em sua conta de campanha até o momento o total de R$ 159.357,14 de dinheiro privado.

Plano de Governo: o candidato apresentou um Plano de Governo visualmente bonito, bem descritivo e com ideias inovadoras bastante interessantes.

Ponto Positivo: no momento em que vivemos, o mais importante de suas ideias talvez seja a Desburocratização, considerado o 3º Pilar de seu plano. O candidato pretende gerar, por exemplo, alvarás automáticos para atividades de baixo risco, invertendo a lógica atual e depositando confiança no empreendedor.

Ponto Negativo: o candidato pretende “contratar vagas em creches privadas para suprir o atual déficit”. Tal prática é condenada pela maioria dos doutrinadores liberais, principalmente os mais heterodoxos, como os da Escola Austríaca, o que causa estranheza por partir de um partido de matriz liberal. Uma maneira adequada de resolver a questão de modo gradual foi proposta por Milton Friedman, e diz respeito a concessão de vouchers, porém permitindo sempre à família a livre escolha de qual creche pretende colocar sua criança, nunca ao Estado.

Dr. Natel (PDT) – 2% das intenções de voto:

Dinheiro Público: Mesmo tendo apenas apenas dois por cento das intenções de voto, já recebeu R$ 250.000,00 de dinheiro público e até o momento não é possível encontrar sequer um centavo investido de seu próprio bolso. Talvez nem ele próprio acredite em sua candidatura.

Plano de Governo: é pífio, mal feito e desorganizado. Pretende aumentar consideravelmente o gasto público sem fazer nenhuma conta para saber o que realmente é possível fazer. Não faz o menor sentido, parece até que está apenas criando base eleitoral para uma campanha a deputado.

Ponto Negativo: a criação da “Casa de Acolhimento e Passagem Feminina e LGBT”, onde busca acolher mulheres e pessoas que se identificam com o gênero feminino em situação de rua. Além de ser um total desrespeito ao princípio da isonomia, a proposta demonstra um grande desconhecimento do candidato em relação as políticas públicas já existentes neste setor no município. Temos um abrigo municipal praticamente vazio, não faz sentido sentido criar outro e ainda segregar os usuários.

Ponto Positivo: destaco a integração eletrônica dos processos de licenciamento e obtenção de alvarás, eliminando a necessidade de tramitações paralelas em órgãos diferentes da prefeitura, reduzindo consideravelmente o tempo de tramitação desses pedidos.

Debora Arenhart (CIDADANIA) – 1,5% das intenções de voto:

Dinheiro Público: você conhece Débora? Bom, ela recebeu R$ 106.000,00 de dinheiro público para fazer sua campanha.

Plano de Governo: é sucinto, visualmente atraente, organizado e bem elaborado.

Ponto Negativo: destaco a enormidade de itens em seu plano de desenvolvimento econômico que buscam conceder incentivos a determinadas empresas. Não precisamos de mais “incentivos”, mas sim de “isenções”, como já analisamos anteriormente.

Ponto Positivo: destaco a criação de programas de incentivo a Parcerias Público-Privadas, afinal, com as ferramentas que temos hoje, talvez seja a melhor forma de promover gestão inteligente.

Georgia Faust (PSOL) – 1% das intenções de voto:

Dinheiro Público: A candidata já recebeu até o momento R$ 68.376,23 de dinheiro público para sua campanha e nem ela própria, nem seus apoiadores, investiram qualquer centavo na candidatura.

Plano de Governo: apesar de ideias controversas e até superadas na política global,o plano de governo de Georgia é bem elaborado, extremamente organizado, visualmente atraente e bem explicativo.

Ponto Negativo: encontrei ideias no mínimo controversas do ponto de vista da liberdade econômica, entretanto escolhi o primeiro item da sessão “meio ambiente” por se tratar de um assunto recente. Neste item, a candidata pretende priorizar a agricultura familiar local na alimentação servida nos estabelecimentos de ensino municipais. Como notamos nas últimas notícias policiais locais, este tipo de “prioridade” não dá certo e só gera corrupção.

Ponto Positivo: o item 7 do título “Gestão Pública”, através do qual pretende realizar uma auditoria em todos os contratos de locação firmados pelo município.

Dr. Kato (PCdoB) – 0,8% das intenções de voto:

Dinheiro Público: O médico que entende que o impeachment de Dilma Rousseff foi um golpe já recebeu R$ 24.705,88 de dinheiro público em sua campanha e até o momento.

Plano de Governo: inicia com um “manifesto”, provavelmente em analogia à obra homônima do criador da ideologia comunista, Karl Marx. Não se esperava menos do “partido comunista do Brasil”. O plano possui 171 ideias minimamente bem escritas e esplanadas. É organizado.

Ponto Negativo: quer voltar ao passado e recriar o que já deu errado: uma empresa pública de transporte municipal coletivo, implementando o passe livre estudantil. Talvez por não ser de Blumenau, Dr. Kato desconheça nosso histórico com este serviço.

Ponto Positivo: em suas ideias, destaco o fortalecimento da política de segurança “Rede de Vizinhos”, uma ideia que já deu certo e que precisa mesmo ser incentivada.

Wanderlei Laureth (AVANTE) – 0,7% das intenções de voto:

Dinheiro Público: em tempos de redes sociais, até o momento estamos dando R$ 35.000,00 de dinheiro público a um candidato que tem 274 seguidores no Instagram e 517 curtidas em sua página no Facebook.

Plano de Governo: com tanto dinheiro público em caixa, poderia ter feito um Plano de Governo minimamente mais elaborado. Suas propostas são basicamente um apanhado de frases sequenciais, sem muita organização e com pouca possibilidade de compreensão.

Ponto Negativo: as ideias do item 12, que descrevem seus meios de solucionar a questão de emprego e renda, que mais tem assombrado os blumenauenses em virtude da Crise do Covid-19. Wanderlei parece querer que todos os habitantes do município se tornem microempreendedores individuais (MEI), além de apoiar a “compra de merenda escolar de agricultores familiares locais”, o que como notamos nas últimas notícias, já era feito e só gerou corrupção.

Ponto Positivo: a criação da Guarda Municipal Armada, uma ideia antiga que por não existir aqui tornou Blumenau bastante obsoleta em relação a outros municípios catarinenses de porte semelhante.

Jairo Santos (PRTB) – 0,7% das intenções de voto:

Dinheiro Público: não está usando dinheiro público em sua campanha, entretanto, não é possível saber se a negativa à utilização se dá por mérito próprio ou porque seu partido não enviou dinheiro do fundão ao diretório de Blumenau. (edit: o PRTB renunciou ao fundo eleitoral em todo o Brasil).

Plano de Governo: é simples até demais, apenas cinco páginas e com diversos erros de digitação, provavelmente foi escrito às pressas, em cerca de dez minutos ou menos.

Ponto Negativo: seus planos de “retomada econômica, emprego e renda” demonstram fraco conhecimento do momento atual do setor. Para se ter uma ideia da confusão de ideias, um dos itens do tal “plano” que praticamente não existe é “dar destinação final ao aeroporto de Blumenau”. Sim, caro leitor, este é considerado por Jairo um “plano de retomada econômica, emprego e renda”.

Ponto Positivo: a elaboração de um sistema de Vouchers para garantir vagas em creches em horário integral. Só não ficou claro se seria para colocar as crianças carentes em escolas privadas (espelho do sistema idealizado pelo chicago boy Milton Friedman), ou se pretende fazer isso na esfera pública (sabe-se lá de que forma).

Siga-me também no Instagram: @thiago.schulze

Artigo atualizado às 15h10min de 01/11/2020

error: Conteúdo Protegido !!