Como o setor contábil está reagindo à Lei Geral de Proteção de Dados

A Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) já está em vigor no Brasil, instituída pela Lei 13.709/2018, mas muitas empresas ainda têm dúvidas sobre os impactos da legislação e sobre como proceder em suas rotinas diárias. Uma das áreas sensíveis à nova legislação é o setor contábil. Conforme explica a contadora Mara Denise Poffo Wilhelm, ainda existem pontos a serem melhor compreendidos, mas com alguns ajustes nos processos é possível ter mais segurança e estar em conformidade com a lei.
 
De acordo com a especialista, o primordial nestes seis primeiros meses foi absorver por completo dentro das empresas o objetivo principal da lei, que é o de preservar o sigilo dos dados pessoais da população brasileira. Dessa forma, é preciso rever todos os processos e contratos, inclusive de parceiros comerciais e fornecedores, visando estabelecer uma metodologia que proporcione segurança para as informações armazenadas.
 
“O contador lida com dados pessoais diariamente e isso não irá mudar. O que precisamos é adequar a forma que tratamos e armazenamos esses dados, visando à segurança dos mesmos”, analisa Mara.
 
Importante lembrar que conforme a LGPD, dado pessoal é toda informação relacionada à pessoa natural identificada ou identificável. Isso envolve dados como nome, RG, CPF, endereço, data de nascimento, entre outros. “Com o crescente uso da tecnologia, também são considerados dados pessoais o e-mail, endereço de IP, dados de localização, e que segundo a Lei, esses dados são classificados em três categorias: dados pessoais, sensíveis e anonimizados. Portanto, a cada um deles deve ser dado o respectivo tratamento para a proteção”, explica.

>> Curta o Mesorregional no Facebook
>> Siga o Mesorregional no Twitter
>> Entre no canal do Mesorregional no Telegram
>> Converse com o Mesorregional pelo WhatsApp
>> Acompanhe o Mesorregional no Instagram
>> Inscreva-se em nosso canal do YouTube

Mara informa que é imprescindível que tenha a transparência entre os escritórios contábeis e seus clientes, fornecedores e empregados, adequando seus contratos e principalmente fazendo menção expressa sobre a responsabilidade do armazenamento dos dados, sigilo e principalmente autorização para divulgação dos mesmos aos órgãos públicos, pois diariamente a contabilidade repassa esses dados a esses órgãos por meio da entrega de declarações acessórias, pois é se sua incumbência fazê-lo.
 
“A LGPD tem muitas nuances e cada empresa precisa avaliar internamente seus processos, se precisa mesmo de todos os dados que coleta, como lida e armazena essas informações. Percebemos que não há uma receita pronta que vale para todos, razão pela qual, a contratação de profissionais especializados para essa análise é o que se orienta. Os escritórios de contabilidade lidam com os dados de diferentes empresas diariamente e a LGPD impõe um desafio permanente sobre isso. Por isso, a atenção deve ser redobrada, mas acreditamos que com informação, processos claros e investimentos na segurança dos sistemas utilizados de coleta, armazenamento e tratamento de dados, é possível estar em conformidade”, conclui Mara.

Foto: Marcello Casal Jr / Agência Brasil

error: Conteúdo Protegido !!