Profissionais saem preparados para Ajuda Humanitária depois do simulado coordenado pelo Exército no Vale do Itajaí

O Exercício da Força de Ajuda Humanitária deixou preparado o contingente de diversas agências operativas para em caso de desastres naturais em Santa Catarina. Coordenado pela 14ª Brigada de Infantaria Motorizada do Exército Brasileiro e com a atuação integrada da Defesa Civil, da Polícia Militar, do SAMU (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) e do Corpo de Bombeiros Militar de Santa Catarina, o exercício permitiu a prática e o aperfeiçoamento de todos os processos, as instalações e as atividades inerentes a uma possível situação de calamidade ocasionada por chuvas torrenciais na região do Vale do Itajaí.

Fotos: Jefferson Santos / Notícias Vale do Itajaí

 

De acordo com o Exército, o exercício, que aconteceu entre os dias 15 e 18 de maio, foi de alto nível de coordenação e houve a possibilidade de troca de conhecimentos entre os envolvidos, com a redução significativa do tempo de acionamento dos meios. No total 700 militares das Forças Armadas e um efetivo de mais de 1.300 agentes, com 325 viaturas, quatro aeronaves (duas do 1º Batalhão de Operações Aéreas do Exército, Arcanjo 03 e Águia 01, do Corpo de Bombeiros e da Polícia Militar, respectivamente), embarcações e equipamentos de socorro à população foram envolvidos no simulado. As atividades ocorrem, paralelamente, nos municípios de Blumenau, Gaspar, Pomerode e Itajaí.

>> Curta o Notícias Vale do Itajaí no Facebook
>> Siga o Notícias Vale do Itajaí no Twitter
>> Entre no no canal do Notícias Vale do Itajaí no Telegram
>> Acompanhe o Notícias Vale do Itajaí no Instagram

 

Órgãos de atuação

Na prática, em qualquer situação de crise no Estado, o Centro Integrado Estadual de Gerenciamento de Riscos e Desastres (Cigerd) será ativado e atuará de forma integrada conforme as demandas que surgirem em cada um dos setores afetados e que estão representados no Centro. Além da estrutura em Florianópolis, o Cigerd está conectado a outros 20 centros regionais (unidades menores) que foram construídos em todo o Estado. Desta forma, as informações locais alimentam a estrutura da Capital que deflagra o trabalho que precisará ser feito.

Nos municípios também são acionados os Grupos de Ações Coordenadas (Grac), que contempla o Plano de Contingência contra inundações, desmoronamentos e outras situações de calamidade, O Grac é sempre coordenado pela Defesa Civil de Cada Município, onde chegam as informações e pedidos de ajuda de forma preliminar.

 

Bases

Nos casos de novas situações de riscos e tragédias climáticas, como ocorreu em 2008, no Vale do Itajaí, há possibilidade de que Defesa Civil, Exército, SAMU e Corpo de Bombeiros e outros órgãos atuam de bases operacionais provisórias. No simulado ocorrido esta semana, o Centro Esportivo do SESI, no bairro Vorstadt foi o polo principal dos acionamentos e da concentração das equipes de resgate. Daí partiam as ordens de resgate para a população para cada órgão, após os chamados de socorro.

 

Samu

Próximo ao SESI, foi montado um hospital de campanha do SAMU, incluindo estrutura para triagem e até mesmo UTI (Unidade de Terapia Intensiva). “O HCamp tem capacidade para montagem de até 12 leitos de UTI. Em uma ação coordenada pela Gerência Estadual, foi feito a escolha do local que permitisse a sua operacionalização” explicou Jorge Schlemper, Enfermeiro Coordenador do SAMU 192 da Prefeitura de Blumenau. “Foi montado inclusive uma regulação satélite para direcionar os pacientes que ali chegavam, vindas de helicóptero ou de ambulância. Feito o atendimento que visa garantir a vida do paciente, este era destinados aos hospitais se referência.” complementa.

Para o coronel BM João Batista Cordeiro Júnior, gerente do SAMU em Santa Catarina explicou como o hospital de campanha funcionaria em um caso real. Confira a entrevista concedida com exclusividade ao Notícias Vale do Itajaí:

 

Corpo de Bombeiros

Para o sub comandante geral do Corpo de Bombeiros de Santa Catarina, coronel BM Vanderlei Vanderlino Vidal o treinamento condicionou o trabalho integrado com os demais órgãos de forma totalmente integrada.

Os socorristas tiveram que atuar como em situações reais, incluindo dificuldades de acesso ás vítimas que supostamente estariam ilhadas ou em lugares de difícil acesso. Foram simuladas situações como afogamento, vítimas ilhadas em residências, soterramento de pessoas e animais, desabamento de residências. Os simulados ocorreram tanto de dia quanto no período noturno.

 

Polícia Militar

A Polícia Militar também atuou na região com uma aeronave e com apoio de equipes táticas, da Cavalaria e do grupamento de Choque. Aproveitando a presença do maciço efetivo para os treinamentos também foram efetuadas missões reais, com rondas ostensivas, operações contra o tráfico de drogas e barreiras policiais no trânsito, o que resultou em apreensões de entorpecentes, armas de fogo e algumas prisões.

Uma das situações simuladas, foi a invasão de um supermercado por parte da população que estava a dias sem a possibilidade de efetuar compras por conta das inundações. A atividade foi acompanhada pelo Notícias Vale do Itajaí e você pode conferir na íntegra na nossa página do Facebook. Para o tenente coronel PM Carlos Alberto Fritz Bueno, comandante da sétima região da PMSC, esse tipo de treinamento possibilita a agilidade numa situação real:

 

Defesa Civil

De acordo com o secretário de Estado da Defesa Civil, Rodrigo Moratelli, numa situação real de desastres naturais o trabalho envolveria situações adversas, o que releva a importância do treinamento de protocolos e procedimentos.

 

Para Rodrigo Agostinho de Quadros, que comanda a Secretaria de Defesa do Cidadão de Blumenau, a Defesa Civil do Município, pode interagir com diversas entidades, incluindo outras secretarias municipais, e foi possível fazer vistorias em encostas e o simulado também serviu atualizar diversas informações. É da Defesa Civil Municipal que parte os registros das ocorrências, pelo número 199.

 







error: Conteúdo Protegido !!