Associação de caminhoneiros pede liberação de rodovias

A Associação Brasileira dos Caminhoneiros (Abcam), que tem cerca de 600 mil filiados, divulgou uma nota nesta sexta-feira (25) pedindo o fim das interdições nas rodovias do país.

O pronunciamento acontece poucas horas depois de o presidente Michel Temer ter anunciado o uso das forças federais de segurança para desobstruir as estradas, no quinto dia de greve dos caminhoneiros contra a alta do diesel.

Fotos: Jefferson Santos / Notícias Vale do Itajaí

 

No entanto, a Abcam pede para a categoria “manter as manifestações”, só que “de forma pacífica”. A entidade não aceitou o acordo proposto na última (24) quinta pelo governo Temer para tentar acabar com a greve.

A associação diz que o fim da mobilização dos caminhoneiros autônomos está condicionado à redução para zero da alíquota de PIS/Cofins sobre o diesel.

>> Curta o Notícias Vale do Itajaí no Facebook
>> Siga o Notícias Vale do Itajaí no Twitter
>> Entre no no canal do Notícias Vale do Itajaí no Telegram
>> Acompanhe o Notícias Vale do Itajaí no Instagram

 

Confira a nota oficial da Abcam na íntegra:

Comunicado Oficial

Brasília, 25 de maio de 2018

Após o pronunciamento do presidente da República, Michel Temer, no início da tarde desta sexta-feira, 25, a Associação Brasileira dos Caminhoneiros – Abcam, preocupada com a segurança dos caminhoneiros envolvidos, vem publicamente pedir que retirem as interdições nas rodovias, mas, mantendo as manifestações de forma pacífica, sem obstrução das vias.

Já mostramos a nossa força ao Governo, que nos intitularam como minoria. Conseguimos parar 25 estados brasileiros com mais de 504 interdições.

Vale lembrar que a Abcam continua sem assinar qualquer acordo com o Governo e mantém o pedido de retirada do PIS/Cofins sobre o óleo diesel.

A culpa do caos que o país se encontra hoje é reflexo de uma manifestação tardia do presidente Michel Temer, que esperou cinco dias de paralisações intensas da categoria. Estamos desde outubro do ano passado na expectativa de sermos ouvidos pelo Governo. Emitimos novo alerta no dia 14 de maio, uma semana antes de iniciarmos os protestos.

É lamentável saber que mesmo após tanto atraso, o presidente da República preferiu ameaçar os caminhoneiros por meio do uso das forças de segurança ao invés de atender às necessidades da categoria.

Sendo assim, nos resta pedir a todos os companheiros que desobstruam as rodovias e respeitem o decreto presidencial.

JOSÉ DA FONSECA LOPES
Presidente da ABCAM”

 

 

error: Conteúdo Protegido !!