Enquanto falta ambulâncias, UTIs móveis ficam ao relento em Santa Catarina

Foi em agosto do ano passado que a Secretaria de Estado da Saúde recebeu sete novas ambulâncias para atuar no transporte inter-hospitalar e desafogar o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) de Santa Catarina. Os veículos foram repassados pela empresa JBS. No caso dessas viaturas recebidas pelo Estado, são Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) Móveis, totalmente equipadas e que deveria ser integradas com equipe médica.

Até hoje (16) essas ambulâncias estão paradas, algumas ao relento, sem sequer cobertura para que seja evitado o desgastes e eventuais danos que podem ser caudados pela natureza. Elas foram destinadas para as regiões de Joinville, Itajaí, Florianópolis, Criciúma, Blumenau, Joaçaba e Chapecó e é no Oeste Catarinense e na Grande Florianópolis onde atualmente a situação com a ocupação de leitos hospitalares está caótica e pacientes com Covid-19 estão sendo transferidos para outras cidades catarinenses. No Oeste relata-se até mesmo falta de ambulâncias para o transporte inter-hospitalar.

>> Curta o Mesorregional no Facebook
>> Siga o Mesorregional no Twitter
>> Entre no canal do Mesorregional no Telegram
>> Converse com o Mesorregional pelo WhatsApp
>> Acompanhe o Mesorregional no Instagram
>> Inscreva-se em nosso canal do YouTube

Em novembro de 2020 o Mesorregional já pautou essa situação de descaso com esses veículos de emergência que serviriam para salvar vidas e indagamos a Secretaria de Estado da Saúde e em janeiro, até mesmo pessoalmente ao governador Carlos Moisés da Silva (PSL), sendo que até agora nenhuma resposta foi recebida, ou seja, a negligência do governador e do atual secretário de saúde, André Motta Ribeiro é bastante evidente sobre o assunto.

Fotos: Jefferson Santos / Mesorregional

error: Conteúdo Protegido !!