Polícia Militar perde homem que foi exemplo na corporação e como cidadão

Fotos: Reprodução / Redes Sociais

Os policiais militares de Santa Catarina, os alunos e os profissionais da Escola Básica Municipal Quintino Bocaiuva, de Blumenau, amanheceram com uma triste notícia nesta quarta-feira (19), por conta de um assassinato que ocorreu no decorrer da última madrugada. A vítima do crime foi o sargento e professor Cleverton Fernando Zimmermann, que foi atingido por cinco tiros, sendo que a suspeita do crime era a sua própria esposa.

De acordo com informações repassadas pela polícia, Cleverton foi assassinado na sua própria residência, um apartamento do Condomínio Jardim Blumenau, na Rua Trombudo Central, no bairro Velha e a suspeita do crime, teria confessado que após uma discussão ocorrida por volta de 0h30min acabou disparando contra o companheiro. Ela contou a delegada Rosi Serafim que sofria violência psicológica há meses por conta de uma possível separação do casal, porém não há registro de Boletins de Ocorrências registrados por parte dela na Polícia Civil.

Confirme informações repassadas pela Polícia Civil, a suspeita (J. J., de 33 anos) relatou que sofria violência psicológica do marido há meses, e teria decidido pedir a separação conjugal. Relatou também que recebia ameaças e que Zimmermann dizia que iria matar a filha do casal – uma menina de 10 anos – e que iria cometer suicídio em seguida.

O Notícias Vale do Itajaí, entrou em contato com o comando da Polícia Militar (PM) de Blumenau, mas até o momento não houve manifestação. Conseguimos conversar com alguns colegas de Cleverton que afirmam que ele era um policial exemplar. “Muito competente, de fino trato com superiores, pares e subordinados. Agia sempre de forma muito profissional.” afirmaram colegas de farda que ainda mas que era fácil lhe de tirar um sorriso.

Nós também entramos em contato com a escola onde a vítima era professor de Língua Portuguesa. A secretária Rosália Isabel de Andrade, secretária da Quintino Bocaiuva foi quem atendeu nosso telefonema afirmou que era amiga pessoal de Cleverton e que era uma pessoa incrível. “Sempre disposta a ajudar alunos e colegas da escolas, não media esforços para fazer o bem. Estamos todos muitos chocados com o acontecido.” disse Rosália, que também informou que ele atuava como professor na escola desde 2011.

A suspeita do 17º homicídio do ano em Blumenau, prestou depoimento, após ser conduzida à Central de Plantão Policial e permanecerá à disposição do judiciário que após investigação da Polícia Civil, julgará o caso levando em consideração se a suspeita era ou não vítima de violência doméstica. Antes disso passará por audiência de custódia que determinará se ela responderá o crime em liberdade ou não.

O corpo do policial deve ser encaminhado para sua cidade natal, União da Vitória, no Paraná, onde deverá ser velado e sepultado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Conteúdo Protegido !!