Daniela Reinehr busca, em Brasília, soluções para as contas públicas de Santa Catarina

O primeiro dia da agenda de trabalho da governadora de Santa Catarina, Daniela Reinehr, em Brasília, ocorreu nesta terça-feira (3). O objetivo era tratar de iniciativas para o gerenciamento da saúde pública, questões tributárias e contas públicas do Estado, com ênfase no teto de gastos que permitirá a destinação de recursos para investimentos em SC.

Na reunião com governadores e o presidente da Câmara Federal, Rodrigo Maia, além do secretário de Estado da Fazenda, Paulo Eli, e do chefe da Casa Civil, Ricardo Miranda Aversa, a governadora defendeu os interesses dos catarinenses. “Buscamos que a questão do teto de gastos seja pautada com a máxima brevidade e seja aprovada, garantindo maior prazo e a suspensão das multas. Nossa receita cresceu e consequentemente o percentual de investimentos, de forma que nosso Estado não pode ser penalizado pelo bom desempenho. Gerar emprego, renda, novas oportunidades de negócios e também arrecadação são diretrizes e prioridades agora”, disse Daniela.

A governadora reforçou que o problema gerado é que com o aumento da receita e a manutenção do mesmo teto de gastos públicos, os novos investimentos para o nosso desenvolvimento ficam limitados e os repasses são extrapolados. “Isso gera prejuízos para os catarinenses, simplesmente porque a arrecadação de Santa Catarina cresceu”, comentou.


> > Participe do nosso grupo no WhatsApp
>> Curta o Mesorregional no Facebook
>> Siga o Mesorregional no Twitter
>> Entre no canal do Mesorregional no Telegram
>> Acompanhe o Mesorregional no Instagram
>> Inscreva-se em nosso canal do YouTube

Gastos públicos


Em relação ao teto de gastos, Santa Catarina tem obrigações previstas na Constituição Federal que são vinculadas ao crescimento da receita, como ocorre com Saúde e Educação, e que não podem ser contingenciadas aos limites inflacionários.

Hoje, a despesa mínima obrigatória para Saúde é de 12% da receita líquida de impostos e para Educação é de 25%. Para se ter uma ideia, entre 2018 e 2019, o crescimento da arrecadação do Estado foi de aproximadamente 20%.

Foto: Divulgação / GVP

error: Conteúdo Protegido !!