Permanecem internados em estado grave vítimas que tiveram fogo ateado em seus corpos na madrugada deste domingo (22)

Permanecem internados R. C. C., de 44 anos e seu filho de 11 anos, que foram vítimas de violência doméstica neste domingo (22) em Blumenau. Eles tiveram mais de 90% de seus corpos queimados por chamas que teriam sido provocadas pelo ex-companheiro da vítima, C. C. C., de 47 anos. De acordo com informações repassadas pela polícia ele encharcou as vítimas e acendeu o fogo que acabou lhe atingindo também.

A mulher permanece internada no Hospital Santo Antônio, de Blumenau, e o suspeito do crime foi encaminhado ao Hospital Santa Isabel. Já o menino foi encaminhado ao Hospital Infantil Joana de Gusmão, de Florianópolis. Todos estão sedados, entubados e em situação de extrema gravidade, sendo que segundo relato de socorristas do SAMU (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) a situação mais grave é a da mulher.

>> Curta o Notícias Vale do Itajaí no Facebook
>> Siga o Notícias Vale do Itajaí no Twitter
>> Entre no no canal do Notícias Vale do Itajaí no Telegram
>> Acompanhe o Notícias Vale do Itajaí no Instagram

O Notícias Vale do Itajaí conversou no fim da tarde de hoje com a Dra. Joyce Bittencourt, médica do SAMU, que compõe a equipe da USA (Unidade de Saúde Avançada), que fez o transporte do menino até Itapema, onde foi dado a sequencia da transferência pela equipe do helicóptero Arcanjo 01. Dra. Joyce informou que as condições do menino realmente são críticas, mas que ele estando numa unidade de saúde especializada aumenta a chance de recuperação.

“O estado do menino é grave, por conta da quantidade de lesão pelo corpo, mas ele foi transferindo em estado estável. Infelizmente devido as graves lesões de queimadura, o seu quadro pode regredir. Tudo vai depender dos cuidados intensivos e especializados.” explicou Joyce. Sobre as dores, ela informou que o menino está em coma induzido por medicação e entubado e que não sofre dores neste momento.

Sobre a recuperação de vítimas de queimaduras a médica explicou que o controle da dor é feita por medicação mas que as vítimas precisam de cuidados especiais. “Por enquanto há necessidade da manutenção de coma induzido, mas assim que forem se recuperando precisam de hidratação rigorosa e ventilação adequada.” frisou. Sobre as complicações, a médica afirmou que a qualquer momento o quadro pode piorar, assim como melhorar. “Além da pele, há necessidade de acompanhamento de órgãos internos, como rins, músculos e sistema respiratório. Tudo é feito para que os pacientes melhorem, mas nem sempre tudo ocorre da melhor forma.”

 

 

Atualizações sobre o fato

Assim que replicamos nossa primeira matéria sobre o crime, outras informações foram sendo obtidas pelo NVI através da polícia, de socorristas e também de moradores da Rua Ernest Kaestner onde ocorreu a crueldade. Já teria contra o suspeito do crime uma medida cautelar ordenando o afastamento do lar. Conforme informações da Polícia Militar, ele agente teria trancado a mulher e seu filho em um banheiro, após jogar gasolina em ambos, ateou fogo, e por conta de também ter sido acometido pelas chamas, saiu correndo para fora do imóvel e se evadido.

Uma moradora vizinha, comentou nas redes socais que o suspeito bateu em sua porta pedindo socorro e água. “Ele gritava de dor e dizia que ele não queria ter atingido o filho e que estava sofrendo muito por ter atingido a criança.” comentou a moradora.

 

Foto: Divulgação / SAMU

error: Conteúdo Protegido !!