Há um gabinete de ódio contra adversários políticos na disputa das eleições de 2020?

Um perfil anônimo, onde alguém que se passava por “Capivara Linguaruda“, pode passar a responder por crime e já saiu em desvantagem, já que uma ação na Justiça Eleitoral fez com que o Facebook divulgasse o autor das publicações nas redes sociais Instagram e Facebook por conta de uma denúncia efetuada pelo Democratas (DEM), que tem como pré-candidato à prefeito de Blumenau João Paulo Kleinübing. As postagens com conteúdo que ataca alguns pré-candidatos à prefeitura nas Eleições 2020 já foram removidas e o perfil não existe mais. A ação, movida pelo DEM, pedia que o Facebook apagasse as publicações identificadas como “propaganda eleitoral negativa antecipada” na rede mundial de computadores.

Os conteúdos postados datam de 21 de abril de 2020 a 17 de agosto de 2020 no Facebook, e de 11 de maio de 2019 a 17 de agosto de 2020 no Instagram e procuravam associar Kleinübing a episódios de corrupção, como as operações Tapete Negro, desencadeada em 2012, além de insinuar ligação dele com a Lava-Jato.

Em atendimento a outra solicitação dos advogados de Kleinübing, a juíza Cíntia Gonçalves Costi pediu que o Facebook Brasil revelasse as informações sobre quem administra ou usa o perfil Capivara Linguaruda em ambas as plataformas. Segundo a juíza, “… as publicações … não se restringem à mera manifestação e ao posicionamento pessoal sobre questões políticas, transbordando os limites da liberdade de expressão e de manifestação do pensamento”.

Além de Kleinübing, o perfil costumava também criticar, com frequência, o prefeito Mário Hildebrandt (Podemos) e ao que tudo indica, o próprio autor resolveu excluir os perfis, assim que teve conhecimento da ação judicial, através da imprensa. Ontem (04) o Facebook enviou ao Tribunal Regional Eleitoral a resposta com os dados que apontaram que o autor das publicações é Allison Diego do Nascimento, que ocupa cargo comissionado no gabinete do deputado estadual Ricardo Alba (PSL). Allison recebe salário de cerca de R$ 3.600, sendo que algumas postagens teriam ocorrido em horário de expediente da Assembléia Legislativa de Santa Catarina (Alesc).

Foto: Reprodução / TRE

>> Curta o Mesorregional no Facebook
>> Siga o Mesorregional no Twitter
>> Receba em primeira mão nossas notícias via WhatsApp
>> Entre no canal do Mesorregional no Telegram
>> Acompanhe o Mesorregional no Instagram
>> Inscreva-se em nosso canal do YouTube

O Mesorregional fez contato com Alisson, que afirmou que teria agido por conta própria, sem que Ricardo Alba tivesse conhecimento das suas ações, e disse que teria criado a página para que a “população não esquecesse dos desmandos de alguns políticos da cidade”. Afirmou ainda que não teme em responder ao processo, dizendo que não foi citado pela Justiça até o momento, por isso não teria um advogado constituído para o caso. Ao colega Alexandre Gonçalves, do Informe Blumenau, Allison enviou uma resposta, afirmando que “Em momento algum a página trouxe inverdades, pois simplesmente postava assuntos que já tinham sido publicados pela imprensa blumenauense.”.

Por telefone, Allison foi questionado sobre as publicações de “ataques” aos adversários de Alba. O assessor do deputado informou que não se trata de ataques e que só replicou conteúdos já publicados pela imprensa. Porém, o Mesorregional tomou nota das publicações efetuadas e em algumas delas há palavras ofensivas como “vagabundagem”, além de afirmações jamais publicadas pela imprensa, com acusações de supostos esquemas de corrução com empresa de limpeza urbana, e ligação de Kleinubing com Rodrigo Maia, pelo simples fato de serem do mesmo partido. Allison afirmou que preferia não responder, para não correr o risco de se “complicar”.

E o deputado Ricardo Alba?

Também tentamos contato por telefone e aplicativo de mensagens mas não fomos atendidos. Ao Informe Blumenau, o deputado – que até o momento não é alvo da ação judicial – disse que desconhecia o fato de seu assessor ser o administrador desta página. “Sou contra Fake news e não tenho ingerência sobre esta página”, disse, afirmando que irá se inteirar sobre o ocorrido para tomar uma posição. A assessoria do parlamentar nos informou que o deputado não poderia responder porque estava em reunião para tratar de “uma bomba que caiu no gabinete.”

Apesar de afirmar não saber as ações da “Capivara Linguaruda”, Alba é administrador de grupos de WhatsApp onde também são replicados conteúdos semelhantes e até mesmo idênticos aos inseridos por Allison nas redes sociais através do anonimato. Por meio de uma investigação jornalística, o Mesorregional apurou que números de WhatsApp, anônimos, que não atendem ligações telefônicas e que não se identificam, administram alguns grupos que também são administrados pelo parlamentar, operando exclusivamente com conteúdos maldosos contra adversários. A lista de “vítimas” desses grupos inclui outro deputado estadual e que também tem o nome cotado para o pleito de 2020, Ivan Naatz (PL) e até mesmo o partido NOVO, que já anunciou Odair Tramontin, como candidato a prefeito.

Um dos números possui final 5090 e tem DDD 47. Nos grupos houve o alerta de alguns profissionais da imprensa presentes sobre o compartilhamento de Fake News (notícias falsas) pelo número, porém, nenhum administrador tomou atitude. Em uma oportunidade, numa discussão entre um vereador e o tal número, Alba – que por conta própria resolveu ser o único administrador do grupo denominado “Fala Blumenau” – foi alertado sobre a presença de tal número fake. Ele, então, removeu o número, que dias depois passou a ser administrador de um outro grupo, do qual Alba também é administrador, conforme algumas imagens abaixo:

Fotos: Reprodução / WhatsApp

O Mesorregional deixa o espaço do site para manifestação do deputado, se achar necessário, apesar de não ter atendido nossas ligações e mensagens desde a manhã desta sexta-feira (04). A pergunta “Há um gabinete de ódio contra adversários políticos na disputa das eleições de 2020?” precisa ser respondida.

error: Conteúdo Protegido !!