Vereadores de Blumenau repudiam livro entregue em escolas do ensino fundamental que trata sobre incesto

O destaque de quinta-feira (8) na última Sessão Ordinária da Câmara de Vereadores de Blumenau foi a distribuição do livro “Enquanto o sono não vem” que foi entregue nas escolas de ensino fundamental, não só da cidade, mas de todo o Brasil. O livro trata sobre incesto, no conto “A Triste História de Eredegalda” em que um rei deseja se casar com a mais bonita de suas três filhas e diante da negativa, a menina é castigada e termina morrendo de sede.

Fotos: Reprodução

 

Foi a partir dos questionamentos feitos por pais de alunos acerca do conteúdo, que o vereador Ricardo Alba (PP) resolveu procurar a secretária municipal de educação Patrícia Lueders para tratar sobre o assunto, que segundo ele o atendeu prontamente e orientou a recolhida dos exemplares distribuídos em Blumenau. Alba também fez questão de levar sua indignação para a tribuna e teve apoio de diversos colegas, perante seu posicionamento, que foi de repudiar o Ministério da Educação que aprovou a aquisição em 2014, durante o governo Dilma Rousseff.

O Notícias Vale do Itajaí entrevistou Ricardo Alba nesta sexta-feira (9), e informou que o o livro foi encaminhado para as escolas em 2016. Ele pensa que o livro é totalmente inadequado para estar nas escolas de ensino fundamental. “Eu faço questão de agradecer o pronto atendimento da secretária de educação e pela determinação da retirada desses livros das escolhas de Blumenau.” comentou o vereador. “É inadmissível que crianças entre 6 a 8 anos tenham acesso a um conteúdo tão inadequado quanto este.” frisou Alba, além de orientar que os pais devem conferir o conteúdo repassados pelas escolas a seus filhos.

Em uma pesquisa realizada na internet apuramos que o livro custa em média, nas livrarias do país o valor de R$ 42.

 

Veja na íntegra o pronunciamento do vereador Ricardo Alba, com participação de outros vereadores sobre o tema:

 

Livro criou repúdio em diversas cidades brasileiras

A obra de José Mauro Brant, publicada Editora Rocco, em 2003, foi aprovada no Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa (PNAIC), e o processo de seleção e avaliação está sendo revisto. Por isso o ministro Mendonça Filho, que ocupa atualmente a pasta da Educação solicitou pareceres técnicos da Secretaria de Educação Básica e da Consultoria Jurídica (Conjur) e também o recolhimento de 93 mil exemplares que foram distribuídos em escolas de todo o país.

 

Fala de Mendonça Filho sobre a determinação do recolhimento do livro das escolas:

 

Foto: Foto: Jessica de Morais / CMB

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Conteúdo Protegido !!